Quinta Alves de Matos

YellowSavages_QuintaAlvesMatos-01

O J andava a desafiar-me para uma escapadinha há uns tempos. Apetecia-lhe ir para um sítio onde pudesse desligar de tudo mas que não fosse longe de Lisboa para não precisar de dias extra para recuperar da viagem. Foi por isso que a Quinta Alves de Matos nos pareceu uma boa opção. Fica a pouco mais de uma hora de distância e prometia dar-nos o sossego que queríamos. E acertámos em cheio!
À chegada fomos recebidos pela Inês e pela Joana que com uma simpatia incrível nos fizeram uma visita guiada. Contaram-nos que a Quinta tinha pertencido à família Alves de Matos, mas que o último proprietário não tinha herdeiros e por isso a deixou ao avô delas que lá trabalhava há uns 50 anos. O avô continua por lá a ocupar-se da horta de onde saem umas coisas fantásticas para a mesa do pequeno almoço. E que pequeno almoço! Tudo delicioso, incluindo um inesperado bolo de espinafres feito pela mãe delas.
Os quartos têm nomes de chás (o nosso era flor de tília), os mesmos que podemos encontrar plantados por lá e que deixam um cheirinho bom no ar. Aliás, apesar da casa ser muito, muito acolhedora e com aquele charme único dos edifícios históricos, o que aproveitamos mesmo foi o exterior. É que não dava para resistir à piscina, nem àquela brisazinha vinha do mar, nem ao silêncio cortado apenas pelo som dos pássaros… Ah, como é bom estar no campo… e este recebeu-nos tão bem!

Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural
Yellow Savages Quinta Alves de Matos Turismo Rural

Ser fotografado é uma seca!

Yellow Savages Sessão em casa

“Ah, mas o meu filho não pára quieto e detesta tirar fotografias…” Pois eu também não! Pronto, está dito!

Ter uma câmara apontada para nós enquanto nos pedem para ficar quietinhos é uma grande seca! Por isso nunca lhes peço isso. Se não param quietos porque haveriam de ficar assim “só” para a fotografia? Gosto que pulem, riam, rebolem, brinquem e tudo o mais lhes passar pelas suas cabeças pequeninas. E digam lá se não é muito mais divertido assim!

Yellow Savages Sessão em casa
Yellow Savages Sessão em casa
Yellow Savages Sessão em casa
Yellow Savages Sessão em casa
Yellow Savages Sessão em casa
Yellow Savages Sessão em casa
Yellow Savages Sessão em casa

Sessões no Porto

YellowSavages_Junho_Porto

Vou estar no Porto 4 dias!!! De dia 9 a 12 deste mês.
Grávidas, famílias, namorados, amigos, estou ansiosa para vos fotografar onde quiserem, quando quiserem.
Fico a espera dos vossos emails para informações e marcações.
rawr@yellowsavages.com

Até breve Porto

Pequenos selvagens

YellowSavages-DiaCrianca

Tive a sorte de crescer com muito espaço. Nas minhas memórias de infância há um jardim imenso que me parecia ter o tamanho do universo. Esse jardim era o palco de todas as minhas brincadeiras e era lá que tudo acontecia. Podia correr livremente e sentir o vento na cara a fazer cócegas. Lá podia fazer cozinhados de terra e paus. Podia rebolar no chão e encher-me de ervas secas. Podia passear a Susana depois de lhe dar o almoço. (O que foi feito da Susana, a mais paciente das bonecas?)
Nas minhas memórias de infância também há uma praia. A praia era o lugar daqueles verões que duravam meses. Lembro-me do chapéu que tinha de estar sempre na cabeça e da pele a ficar cada dia mais escura até ficar da cor do chocolate. E por falar em chocolate, lembro-me agora do gelado depois do almoço que era a melhor das sobremesas. Na praia o que mais interessava era a água e as intermináveis tentativas de fazer o mergulho perfeito (Inês, Inêsssssss, sai da água, já chega, está a ficar frio!).
Na minha infância os dias acabavam com os pés sujos, com os cabelos em desalinho e com um brilhozinho nos olhos. E é isso mesmo que desejo a todas as crianças, hoje que é o seu dia: liberdade para crescer. Um feliz dia pequenos selvagens!