Covão d’Ametade

Yellow Savages Serra Estrela

Quando decidimos começar o ano com uma viagem a Serra da Estrela planeámos logo uma paragem pelo Covão d’Ametade. Este ano quero rodear-me de coisas que me tragam serenidade e boas energias e este lugar, que parece saído de um conto de fadas, foi tudo o que precisei para encher os pulmões de ar puro e sentir-me retemperada para novas aventuras.

Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela

O Covão d’Ametade fica situado num pequeno vale a 1.500 metros de altitude e é onde o rio Zêzere começa a ganhar forma. Naquela mata de árvores de troncos brancos, com a água a crepitar em pequenas cascatas, somos invadidos por uma incrível sensação de paz, como se estivéssemos fora do mundo e o tempo tivesse parado. E isso é simplesmente fantástico! Por isso, fica aqui a sugestão: quando precisarem de fugir para encontrarem silêncio já sabem onde o procurar. Mas não contem a ninguém. O Covão d’Ametade é um segredo só nosso, está bem?

Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela

O frio da Estrela

Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela

Adoro aquele frenesim de fazer as malas, escolher as músicas para a playlist, preparar a ração e água para o felinos cá de casa, e fazermo-nos à estrada! Não há nada melhor que aquele entusiasmo de chegar a um novo destino e querer explorar! Desta vez, fomos até à Serra da Estrela.

Sempre a subir até ao céu, parecíamos crianças ansiosos pela neve! O céu estava límpido e o sol reluzente, mas o frio era de rachar! Mas a vontade era mais forte que a baixa temperatura, por isso ao chegarmos ao topo fomos logo explorar as montanhas (que não estavam tão brancas quanto gostaríamos), mas a vista era impressionante e o silêncio era acolhedor.

A viagem valeu mesmo a pena porque trouxe dela pequeninas imagens que acalentam os meus dias mais frios. Foram as poças de gelo iguais a cristais que cintilavam sob os raios de sol. Comigo também vieram sons: de quebrar esses vidros gelados e ouvir o som cristalino dos fios de água por baixo. E, já no regresso, percorrer uma parte de um trilho transformado num riacho com pequenas cascatas, e escutar aquela melodia calmante da água a deslizar sobre as pedras soltas.

Sabe bem começar o ano assim!

Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela
Yellow Savages Serra Estrela

Dolce far niente – Pádua e Bolonha

Yellow Savages Viagem Itália Pádua
Yellow Savages Viagem Itália Pádua

Quando surgiu a oportunidade de ir a Itália, eu e o J ficámos tão entusiasmados que começámos logo a fazer uma lista de lugares que queríamos ir. Mas à medida que o tempo passava a lista aumentava. Foi então que decidimos fazer uma roadtrip. Depois de 3 dias por Veneza, alugámos um carro e partimos naquela estrada!
A primeira paragem foi Pádua. Começámos, claro, pela praça principal Prato della Valle, mas sabíamos que não tínhamos tempo para ir à Basílica, por isso seguimos para o Orto Botanico di Padova. Como era tão bonito, muito bem organizado por espécies e cheio de plantas, perdemos a noção do tempo, mas nós somos sempre assim!

Yellow Savages Viagem Itália PáduaYellow Savages Viagem Itália Pádua
Yellow Savages Viagem Itália Pádua
Yellow Savages Viagem Itália Pádua
Yellow Savages Viagem Itália PáduaYellow Savages Viagem Itália Pádua
Yellow Savages Viagem Itália Pádua
yellowsavages-italy2016-2774Yellow Savages Viagem Itália Pádua
Yellow Savages Viagem Itália Bolonha

Estava nos nossos planos almoçar por Bolonha, pois recomendaram-nos o Tagliatelle al Ragu da Trattoria del Rosso, mas não deu! Iremos para a próxima, até porque já está nos nossos planos voltar a Bolonha, tão bonita e citadina.
A Via dell’Indipendenza estava cheia de gente e muitas lojas que espreitámos até encontrar no final da rua uma feirinha de antiguidades onde o J aproveitou para por o olho em alguns vinis.
Seguimos até à Piazza Maggiore mas não deu para apreciá-la já que estavam a montar um enorme palco um evento nessa noite.
Tristíssimos, despedimo-nos de Bolonha com a promessa de voltar e metemo-nos a caminho.

Yellow Savages Viagem Itália Bolonha
Yellow Savages Viagem Itália BolonhaYellow Savages Viagem Itália Bolonha
Yellow Savages Viagem Itália Bolonha

Faltava ainda uma paragem: a Ponte suspensa de Vizzano em Sasso Marconi que tem tanto de bonita como de misteriosa. Escondida no meio do campo, num cenário incrível, é suspensa apenas por cabos e abana ao menor movimento. Acreditem, vale mesmo a pena fazer um desvio só para a ver.

Yellow Savages Viagem Itália Bolonha
Yellow Savages Viagem Itália BolonhaYellow Savages Viagem Itália Bolonha
Yellow Savages Viagem Itália Bolonha

Dolce far niente – Bienal

Yellow Savages Viagem Italia Veneza

Os últimos dias têm passado a correr com muitas fotografias para editar. Por isso, o relato da minha viagem a Itália foi ficando para trás. Não que eu não tenha muita vontade de vos mostrar as mil fotografias que por lá fiz. Como estas, da bienal de Veneza, um lugar verdadeiramente inspirador que me contagiou a fazer experiências com a luz e o espaço. E o que eu gosto de sítios assim!
Fiquem atentos porque ainda tenho muito para mostrar! Próxima paragem: Pádua e Bolonha.

Yellow Savages Viagem Italia Veneza
Yellow Savages Viagem Italia Veneza
Yellow Savages Viagem Italia Veneza
Yellow Savages Viagem Italia Veneza
Yellow Savages Viagem Italia Veneza
Yellow Savages Viagem Italia Veneza
Yellow Savages Viagem Italia Veneza
Yellow Savages Viagem Italia Veneza