Um olhar real

Yellow Savages Exposição D. Maria Pia no Palácio da Ajuda

Na Galeria de Pintura do Rei D. Luís, no Palácio Nacional da Ajuda, encontra-se uma exposição dedicada à obra artística da Rainha D. Maria Pia (1847-1911). Desde que inaugurou, em Dezembro, que andava para a ver, mas o tempo foi passando e só no início deste mês consegui mesmo que isso acontecesse. Confesso que fiquei surpreendida pela delicadeza dos desenhos e das aguarelas que ficaram tão bem apresentados sobre as paredes coloridas em tons suaves. A exposição vê-se assim como quem saboreia um delicioso gelado num dia quente. Eu sei que a comparação pode parecer estranha mas, de facto, foi o que senti!

E claro, tenho de dizer que um dos grandes motivos que me levou lá foram as fotografias e os materiais fotográficos da Rainha. Gostei de ver o seu apurado sentido estético na escolha dos enquadramentos, dos planos e da captação da luz. É tão bom saber que tivemos rainhas fotógrafas para quem a câmara não era um objecto estranho manuseado por mãos delicadas, mas antes um instrumento ao serviço das suas facetas criativas.

A exposição está a ter tanto sucesso que foi prolongada até 31 de Maio. Por isso, não há desculpas para não a verem!

Yellow Savages Exposição D. Maria Pia no Palácio da Ajuda
Yellow Savages Exposição D. Maria Pia no Palácio da Ajuda
Yellow Savages Exposição D. Maria Pia no Palácio da AjudaYellow Savages Exposição D. Maria Pia no Palácio da Ajuda
Yellow Savages Exposição D. Maria Pia no Palácio da Ajuda
Yellow Savages Exposição D. Maria Pia no Palácio da Ajuda
Yellow Savages Exposição D. Maria Pia no Palácio da Ajuda
Yellow Savages Exposição D. Maria Pia no Palácio da Ajuda

Arco da Rua Augusta

Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta

Se gostam tanto de Lisboa como eu não deixem de subir ao Arco da Rua Augusta. É um dos melhores sítios para apreciar o pôr-do-sol e ver a baixa de uma perspectiva completamente diferente. Lá de cima o Tejo parece imenso e é impossível ficar indiferente a esta luz que banha a cidade. Devia ser obrigatório irmos todos lá (pelo menos) uma vez por mês para nos inebriarmos desta nossa Lisboa, menina e moça!

Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta
Yellow Savages Lisboa Arco Rua Augusta

Cidade Gráfica

Yellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade Gráfica

Já andava para publicar este post há algum tempo, logo depois de ter visitado a exposição do Mude, Cidade Gráfica – letreiros e reclames de Lisboa no século XX. Mas, mil coisas se meteram pelo meio e não fui a tempo de vos mostrar estas fotografias antes do fecho da exposição que aconteceu este fim de semana. Por isso, muitas desculpas se não foram até lá e agora ficam cheios de pena. É que têm mesmo razões para isso! A exposição apresentava letreiros e néons comerciais que foram sendo abandonados à medida que as lojas fechavam ou se renovavam. Para além de serem objectos de design que testemunham a evolução do grafismo ao longo do século passado, estes letreiros remetem-nos também para uma cidade que vai desaparecendo e que deixa sempre um pouco de nostalgia. É impossível sair de lá e não ficar a pensar na cidade que tivemos, na que temos e na que poderíamos ter tido. Mas enfim, saudosismos à parte, para alguém como eu, apaixonada por design e por Lisboa, esta exposição valeu mesmo a pena. Agora é esperar pela próxima exposição do Mude que inaugura já dia 30 e que partilharei aqui antes que feche. Prometo!

Yellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade GráficaYellow Savages Exposição Cidade Gráfica

Fluviário de Mora

Yellow Savages Fluviario de Mora Alentejo
Yellow Savages Fluviario de Mora AlentejoYellow Savages Fluviario de Mora Alentejo

Estava aqui a pensar nas várias razões pelas quais vos podia recomendar uma visita ao Fluviário de Mora: a grande diversidade de peixes, lontras, anfíbios, répteis e moluscos que podem ver; a simplicidade arquitectónica do edifício, as actividades para miúdos, mas que os graúdos também gostam, eu sei lá… Mas no fundo aquilo que melhor retenho desta visita é a quietude. Sim isso mesmo. Como já disse aqui este ano estou empenhada em envolver-me em tudo o que me traga serenidade e este lugar conseguiu. O Fluviário fica no meio do nada. Bem, não é verdade. Fica no Parque Ecológico do Gameiro que é bem bonito e que também merece a visita. Mas o que eu quero dizer é que soube tão bem percorrer as diferentes salas do Fluviário e não ser distraída por nenhum som do exterior. Nada. Nadinha. Apenas o crepitar da água. O que foi tão fantástico que deu para mergulhar inteira neste universo de formas mágicas e movimentos suaves. E assim inspirada as fotografias que resultaram desta visita ficaram todas a preto e branco porque me apeteceu focar-me apenas no essencial.

Yellow Savages Fluviario de Mora Alentejo
Yellow Savages Fluviario de Mora Alentejo
Yellow Savages Fluviario de Mora Alentejo
Yellow Savages Fluviario de Mora Alentejo
Yellow Savages Fluviario de Mora AlentejoYellow Savages Fluviario de Mora Alentejo
Yellow Savages Fluviario de Mora Alentejo5
Yellow Savages Fluviario de Mora Alentejo
Yellow Savages Fluviario de Mora AlentejoYellow Savages Fluviario de Mora Alentejo